segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Impossível negar que a propaganda é a alma do negócio.

O assunto de hoje é um termo de dificultosa conceituação, não bastasse a facilidade de seu reconhecimento de sua influência. O poder é desejado por todo e qualquer ser humano, podendo esse desejo ser voltado a inúmeras das formas de manifestação desse mesmo poder. Para ser mais objetivo e específico, limitarei a abrangência desse poder, neste post, à influência dos meios de comunicação na sociedade atual.
Poderiamos ter como ponto de partida diversas marcas já consolidadas de determinados refrigerantes que sempre são utilizados para ilustrar temas relacionados ao poder de uma marca ou uma campanha publicitária. Mas hoje, nosso objeto a ser vendido é a mendicância. Isso mesmo, você entende ser possível vender, publicitariamente, a necessidade de um mendigo, de modo a torná-la mais rentável? A resposta pode estar neste vídeo:
video
O ser humano é realmente fantástico, não é!? Não estou me referindo ao mendigo, mas sim aos seres humanos que passaram a contribuir apenas em razão da propaganda. Podemos dizer que esta efetivamente produziu efeito ou melhor, em relação a eles, demonstrou seu poder.
Externo aqui, portanto, a minha admiração pelos engenhos publicitários e o fantástico mundo das idéias, mudo esse tão imprevisível...

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Já era tempo!!! Ou melhor: "Já era, tempo".


Dantes, você deve estar mesmo com tempo sobrando!! Escreveu uma monografia, hein? Muito boa para reflexão. Aquela reflexão que não nos leva a lugar nenhum e a todos lugares ao mesmo TEMPO.
Já anotei o dever de casa e vou trazer informações para o debate.
Só uma pergunta... "Dantes" tem algo relacionado ao termo "de antes" ou "anterior"? Se afirmativo tem relação com o "tempo"... Ah.... deixe para lá.

Acho que minha postagem sobre o tempo está bem linkada com a sua. Veja lá: De onde vim para onde vou?

Ah... outro apontamento que não poderia deixar de fazer... Seu post me fez lembrar daquela música do acústico do Engenheiro do Hawai "Depois de nós":

Hoje os ventos do destino
Começaram a soprar
Nosso tempo de menino
Foi ficando para trás
Com a força de um moinho
Que trabalha devagar
Vai buscar o teu caminho
Nunca olha para trás

Hoje o tempo voa nas asas de um avião
Sobrevoa os campos da destruição
É um mensageiro das almas dos que virão ao mundo
Depois de nós

Hoje o céu está pesado
Vem chegando temporal
Nuvens negras do passado
Delirante flor do mal
Cometemos o pecado
De não saber perdoar
Sempre olhando para o mesmo lado
Feito estátuas de sal

Hoje o tempo escorre dos dedos da nossa mão
Ele não devolve o tempo perdido em vão
É um mensageiro das almas dos que virão ao mundo
Depois de nós

Meninos na beira da estrada escrevem mensagens com lápis de luz
Serão mensageiros divinos, com suas espadas douradas, azuis
Na terra, no alto dos montes, florestas do Norte, cidades do Sul
Meninos avistam ao longe
A estrela do menino Jesus




quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O homem e o tempo

Olá caros leitores desse espaço cafeíno e literal. Mais uma vez venho aqui com vocês compartilhar os intrigantes mistérios que cercam nossa existência. Após as discussões políticas é oportuno voltarmos aos questionamentos, melhor, conspirações, sobre o que é o ser humano e a existência.
Antes de iniciar os debates quero deixar aos meus dignissímos conspiradores Maquiavel e Tiradentes um exercício de casa para resolver. Pesquisem sobre Jakim e Boaz e a relação com a maçonaria. Depois falamos sobre o assunto.
Hoje quero falar um pouco sobre o tempo. O Deus Cronos acompanha a humanidade desde o momento da criação. Se somos obra de Deus, o Tempo também é seu filho.
Nos nossos tempos, tempo é algo precioso, difícil de achar e de comprar nas promoções da internet. No entanto, o tempo é sempre presente e não há que se cogitar sobre o que se passou ou o que ainda virá.
Como assim?...
Tempo é somente o presente. Se falo de dez anos passados, a realidade daquele momento se foi. São lembranças de minha mente que não se concretizam mais. Se falo de dez anos futuros, discorro sobre possibilidades potenciais que poderão surgir, concretizar, mas jamais será fidedigno como imaginado. Não existem dez segundos para trás e tampouco dez segundos para frente. O que há é o presente. E ele é a existência.
Se o tempo existe presentemente posso afirmar que o que existe é um eterno presente? Para onde vão as minhas experiências senão para o recanto de minha mente? Em que lugar estão as promessas futuras senão no interior de meu cérebro?
Não existe um tempo controlador. Existe uma ideia de tempo que construímos e que nos controla. Mas existe o tempo. Não o tempo que acabei de falar, mas a corda do relógio que verdadeiramente nos controla e nos faz nascer e morrer. Possibilita-no sermos salvos.
Este tempo é um atributo de Deus e, como vontade, fez criar a marcação e as criaturas. Com Deus o tempo e a eternidade, o oposto do cronos. Na eternidade não se nasce e não se finda. Não existe um lugar para ir pois é a coisa em si. Não há fronteiras e tão menos dez segundos passados ou futuros.
Se minha mente e meu espírito compreende isto talvez consiga ingressar (ou retornar) para eternidade e, logo, para Deus. Estar em Deus é uma questão de entendimento. Entendimento é uma questão divina. Não sabemos sobre Deus (ainda). E entendimento não nos é dado. É conquista.
Minha esperança e fé é que todos vão conseguir entendimento sem passar pelas informações obtusas do falso sacerdote desses "tempos modernos". Já estamos em Deus. Basta acordar.
"Eu sou o caminho, a verdade e a vida." João 14: 1-14.
Deliciem-se nesse café.
Um grande abraço e fiquem com Deus.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Postagem cujo título é dispensável...

Será que este post precisa de título?
Não, não precisa. Ele já tem identidade?
Bom... prescisa ter foto... Então lá vai:Encontrei hoje com o Conspirador Voltaire em Belo Horizonte/MG e ele me relatou que não votou nessas eleições! Fiquei abismado, exatamente porque não é de seu feitio deixar de participar de decisões consideradas relevantes para a sociedade.
Mas a justificativa que me deu talvez possa realmente afastar minha surpresa decorrente dessa revelação.
Segundo ele, compareceu à seção de votação e ao apresentar seu título de eleitor, lhe disseram que não era documento hábil a lhe qualificar como eleitor para fins de exercer seu direito ao voto.
Em um ato conspirador, fez um discurso no local da votação e repudiou o fato de o eleitor não mais precisar do título para votar, mas tão somente de um documento com foto.
Ordem e progresso? Somente no post do Conspirador Dantes se pode imaginar que isso venha acontecer no próximo governo do presidente Lula, aliás da Presidente, Lula ou melhor Dilma... Ah, sei lá de quem será o governo...

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Fotografia

Para quebrar um pouco o clima, mudo o rumo da prosa! Não sei se já falei que gosto de fotografias. Vez por outra visito sítios eletrônicos especializados em cliques fantásticos de máquinas digitais. Essa foto, por exemplo, é uma daquelas que conseguimos tirar um em mil.
Utilizando a função macro da câmera, conseguiram uma imagem raríssima.
Fica a indicação para ver mais - www.olhares.com

Dilma: mulher e presidente.

Enfim o Brasil tem uma mulher na presidência da República. O país da desigualdade social, das elites descerebradas e da educação caduca elegeu, contra todos os preconceitos, uma pessoa do sexo feminino no maior cargo político da nação.
Dilma Roussef foi eleita conjuntamente com um modelo político de governo que deu certo no Brasil. Tal modelo prima pelo social, pela busca das melhorias nas condições de vida das pessoas, não preocupados apenas com números e com a estabilidade da moeda.
Esta escolha foi clara se fizermos uma análise histórica, pois, FHC não conseguiu eleger o então candidato Serra para a presidência no pleito de 2002, sendo escolhido pelo povo, na época, o operário Luis Inácio Lula da Silva. O Brasil assim pode conhecer um modo diferente de governar. Se o modelo petista fosse tão ruim assim, Dilma não teria sido eleita.
Outro ponto interessante nesta campanha eleitoral é a fraqueza dos temas debatidos. Religião e aborto predominaram nos círculos de conversações, sendo até rídiculo a esposa de Serra, no dia de Nossa Senhora Aparecida, ter aparecido carregando a imagem da mãe de Deus na Basílica que leva o nome da santa.
O controle de imprensa também foi uma questão debatida, sofrendo Dilma e o PT acusações de autoritaismo e de serem contrários à liberdade de expressão. Ora, as pessoas que levam a frente tal pensamento esquecem que nossa lei maior preconiza a imprensa livre como cláusula inabolível. Das duas uma: ou não conhecem as leis do país ou acreditam em um golpe de estado. Nas duas situações temos a ignorância da legislação e na outra a mania de perseguição.
Por outro lado não podemos também ser ingênuos e acreditar que o governo Dilma será uma maravilha. Haverá corrupção, erros, críticas e crises. Contudo, o modo pelo qual agirá o governo diante das adversidades será a régua que medirá a competência ou não da governante eleita.
E, por fim, chega o momento de nós brasileiros participarmos mais do governo e da política do país, não deixando que a mesma seja apenas um tema a ser discutido de quatro em quatro anos em um botequim qualquer. Solidariede política e social deve ser a pauta do nosso dia a dia.
Parabéns a Dilma e aos eleitores brasileiros e que Deus abençoe a nós e ao nosso país.
Um abraço a todos vocês.

Brigas antes do apito inicial... eis o que nos espera!!



No domingo, quando saiu o resultado final das eleições para presidente do Brasil, fiz um compromisso comigo mesmo de que ficaria de olho no Congresso Nacional. Só que não esperava que iria ter de me manifestar tão rápido, antes mesmo deles tomarem posse.

O que aconteceu foi o seguinte: Marcou-se uma reunião para pudessem tratar da transição de Governo, ou seja, quem iria assumir ministério etc.

Ocorre que só participaram dessa reunião os petistas José Eduardo Dutra, José Eduardo Cardozo e Antônio Palocci, deixando de fora o peemedebista Michel Temer, vice presidente eleito. Esse "esquecimento" causou certo incômodo no vice da Dilma, que logo tentatam amenizar, dizendo que a reunião não era nada formal. Depois, porém, deram um jeito de encaixar o Temer nessa equipe de transição.

Não posso ser tão cruel a ponto de dizer que isso causou uma crise política, mas posso garantir com certeza que uma tempestada que destrói uma cidade começa com apenas uma gota.

Jesus disse que o futuro de um reino que está dividido é a ruína. Maquiavel repetiu essas palavras depois, dizendo que um reinado não pode subsistir se houver divisões entre seus príncipes.
É cedo pra falarmos em "divórcio", mas não o é pra falarmos em extresse político.

Café... palavras... e coragem não vão faltar a esse humilde conspirador...


De qualquer forma, estaremos de olho...sempre.

Justissa seje feito! (sic)

Há rumores de que o palhaço Tiririca terá de se submeter a um ditado ou teste para verificação de sua condição de alfabetizado para fins de exercer o mandato de Deputado Federal para o qual foi eleito com quase 1,4 milhão de votos.

Maquiavelicamente, ouvi dizer que ele não se negaria a passar pelo teste, desde que o Presidente Lula corrigisse...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O povo tem o governo que merece!

Resultado do 2º Turno - Eleições 2010.

Maquiavelicamente gostaria de cumprimentar nossa futura presidente, Dilma Roussef. Primeira mulher que governará nosso país. Há quem pense o contrário, porém, controvérsias à parte, resta-me desejar-lhe sucesso, até mesmo porque o sucesso dela nos atinge diretamente.
Realmente, conforme ensinamentos maquiavélicos contidos em "O príncipe", o poder está alcance de todos, até mesmo daqueles que não tem experiência alguma em disputas eleitorais.
Dilma foi criada no aparelhamento estatal, não representa uma liderança obtida pela "virtu" termo bastante debatido no livro do cientista político florentino, Nicoló Maquiaveli. Lula, sim, é um fenômeno de liderança surgido com todos os méritos que se pode atribuir a um verdadeiro líder. Já Dilma, é uma liderança chamada "institucional", aquela que surge por determinação hieráquica, por imposição. No caso, o PT a faz líder. É forçoso reconhecer que possua uma certa experiência sim, mas em termos de chefiar o Executivo de um país como o Brasil, deverá empenhar muito para não deixar a peteca lulística cair.
Enquanto isso, fica a pergunta, quem virá na próxima pelo PSDB?? Aécio, Serra, Alckimin, FHC??
E no PT, Lula ou Dilma?
Enfim... cenas dos próximos capítulos...